quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Música - Florence + The Machine



Nome: Florence + The Machine
Gênero: Indie
Integrantes: Florence Welch (Cantora/Vocal), Robert Ackroyd (guitarra e voz de fundo), Chris Hayden (bateria e percurssão), Isabella Summers (teclado e voz de fundo), Mark Saunders (baixo) e Tom Monger (harpa). 

** Quando se ouve falar em música indie, muitas pessoas não sabem descrever o gênero e possivelmente nem conheçam uma banda ou cantora realmente boa que cante no estilo musical, mas devo dizer que o primeiro passo para conhecer bandas indies realmente boas, é ser fã nato de seriados americanos. **
Hoje vou apresentar a vocês uma das cantoras que está no topo da minha lista de predilétas, a Florence + The Machine. O estilo Florence explora muito o que chamo de On The Road, mas ela consegue variar muito entre ritmos de musica lenta/sentimental até aquelas bem animadas.
A cantora é uma das maiores referências do gênero indie, tais como: Karen Elson e Lykke Li, que estão presentes em diversas trilhas sonoras. E por falar nisto, a música Heavy In Your Arms da Florence + The Machine faz parte da trilha sonora oficial do terceiro filme da Saga Crepúsculo – Eclipse; e a música I’m Not A Calling You A Liar está presente do seriado Pretty Little Liars fechando a primeira temporada com chave-de-ouro; e não vamos esquecer da regravação de Glee, com a música Dog Days Are Over.
Florence infelizmente ainda não é tão conhecida no Brasil como deveria, talvez o principal motivo para ela nunca ter feito shows no país, mas como a esperança é a última que morre, esperarei pacientemente até sua chegada!
Seu único album de estúdio é o Lungs, porém o mesmo fora re-editado em outras três edições, sendo elas: Lungs – Deluxe Edition, Lungs Expanded – Box Set e a versão mais atual que é acompanhada por um cd com músicas inéditas e um especial maravilhoso de acústicas, o Between Two Lungs.
Alguns dos melhores singles de Florence + The Machine:
#Cosmic Love - tocada em The Vampire Diaries
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=2EIeUlvHAiM?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>


#What The Water Gave Me - a mais atual
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=am6rArVPip8?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>

#Between To Lungs - incrivelmente maravilhosa
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=ccZzusz3Mbc?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>

- Por Alexandre Tavares

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Resenha - Book tour - Doença e cura

Doença e cura foi o quinto livro que eu recebi pelo Book Tour do Selo Brasileiro. 


Autor: Fabian Balbinot
Editora: Alcance
Páginas: 256
Ano de publicação: 2010

Sinopse
Em um submundo de sombras e poder, onde os vampiros são reais, surge uma entidade desconhecida, que perambula em uma incansável busca pelo sangue eterno dos mortos-vivos, enlouquecendo-os com pavores semelhantes aos que eles costumam infligir aos seres humanos, e usando os próprios humanos como iscas para atraí-los...





A história de Doença e Cura é singular, isso eu afirmo. O autor nos traz uma nova “raça”, uma espécie de Anti-vampiro. Essa criatura estaria, na cadeia alimentar acima dos vampiros, se alimentando deles. Como o autor gosta (e insiste) de deixar claro que os vampiros são como uma doença para o mundo e essa nova raça vem com o intuito de ser uma cura, aniquilando os vampiros.
O livro tem um toque muito trash. Com cenas descritas de maneira seca e sem receio. Seja mostrando a dor dos personagens ou os delírios deles. Confesso que as vezes isso me desconcentrava pois em certas partes o “toque” trash era imenso, o que me fazia sentir um certo desconforto na leitura.
A escrita do autor não me prendeu muito, sentia necessidade de parar a leitura diversas vezes para que conseguisse continuar. Pontos excessivos, parágrafos desnecessários e reticências foram utilizados em excesso, e mesmo que seja uma característica da escrita do autor em certo ponto me dava agonia, não sei se era essa a intenção, mas o corte de pensamento me vinha com essa estrutura de escrita.
Volto a dizer que a idéia do livro me pareceu muito boa e interessante, mas a obra como um todo não me cativou. Pode se dar ao fato de que eu não estou acostumado com esse tipo de literatura ou até mesmo de que eu não sou o público alvo para o qual o escritor quer se dirigir em sua narrativa.
Por isso eu acabo indicando a leitura desse livro não porque me fascinou, mas para que cada um possa ver com os próprios olhos essa bizarra obra e enfim saber se os incômodos pelo qual eu passei foram devidos a essas questões de gosto pessoal.

 Nota: 2 

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Música - Placebo


Nome: Placebo.
Gênero: Rock Alternativo.
Integrantes: Brian Molko (vocalista, guitarrista e tecladista), Stefan Olsdal (baixista, guitarrista e teclista), e Steve Forrest (baterista).

Para quem gosta de Rock Alternativo... A primeira banda que vou indicar a vocês – acredite ou não, eu comecei a ouvi-la a pouquíssimo tempo – chama-se Placebo, um rock alternativo maravilhoso, com um vocal meio banda-de-garagem que eu particularmente adorei. A banda tem um som meio variante entre o On The Road e o Underground, mas é o tipo de banda que não pode faltar numa coletânea de viagem com os amigos, nem no Ipod de um verdadeiro roqueiro!
A banda tem origem inglesa, e vem enlouquecendo e arrastando fãs ao longo de 17 anos, com dezenas de álbuns e, participações em diversas trilhas sonoras, como por exemplo, no seriado The Vampire Diaries, com a música Running Up That Rill, originalmente contada por Kate Bush, um flashback meio trash e meio maravilhoso. O trio inglês fez shows no Brasil em 2005, 2007 e 2010, e se vocês gostarem da banda assim como eu gostei, nos veremos quando eles voltarem.

Algumas indicações que vocês não podem deixar de ouvir:
#Passive Aggressive
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=9sPEn_TZ8yk?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>
#Commercial For Levi
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=ZdKRkPARZHo?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>
#Lady Of The Flowers
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=tVwb-3iLBxc?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>

#Haemoglobin
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=ZdKRkPARZHo?hl=en"><img alt="Play" src="http://www.gtaero.net/ytmusic/play.png" style="border:0px;"></a>

 
Na semana que vem eu volto com alguma banda indie, um gênero meio “hã?”, mas completamente seriado americano, o tipo de musica para sentar, observar e apreciar.

- Por Alexandre Tavares
_______________________________________________________

Quem é Alexandre Tavares?
Bom, eu tenho 19 anos, sou universitário em Comunicação Social e bailarino. Paulistano de corpo e alma, sinestésico e compulsivo. Já passei pelo vestibular, por experiências terríveis, por experiências quase inacreditáveis de tão maravilhosas, por problemas com os pais, problemas no amor, problemas com amigos, e outros dramas. Sou freneticamente viciado em filmes, necessariamente apaixonado por músicas e estou indispensavelmente sempre na moda. Chocólatra, romântico, sincero, leal, espontâneo, retardado, fofo, descolado e alegre.

Mais sobre mim, meus textos e minha rotina incomum: